Exames realizados através de amostras biológicas com finalidade de complementar e concluir diagnósticos.

Fáceis e rápidos de fazer, os exames laboratoriais dão suporte em até 80% das decisões médicas, podendo ajudar a prevenir complicações de doenças que podem parecer, pelo menos aparentemente, silenciosas.

A realização de exames divide-se em:

  • Fase pré-analítica: começa na coleta de material, seja ela feita pelo paciente (urina, fezes e escarro), seja feita no ambiente laboratorial.
  • Fase analítica: corresponde à etapa de execução do teste propriamente dita.
  • Fase pós-analítica: inicia-se no laboratório clínico e envolve os processos de validação e liberação de laudos, encerrando-se após o médico receber o resultado final, interpretá-lo e tomar sua decisão.

Apesar de o controle do laboratório sobre tais variáveis ser limitado, é possível contornar muitas dessas inadequações por meio da orientação do paciente, seja pelo médico que solicita o exame, seja pelo laboratório clínico, que fornece as informações pelos diversos canais de comunicação com o cliente.

Os dez exames mais recomendados pelos médicos:

Hemograma: Exame de sangue para checar a saúde geral do paciente. Identifica problemas como anemia, infecções e inflamações a partir da contagem de três tipos de célula (plaquetas vermelhas, glóbulos vermelhos e glóbulos brancos).

Glicemia: É feito para medir o nível de glicose no sangue do paciente. Ajuda a diagnosticar o diabetes ou monitorar a saúde das pessoas que já foram diagnosticadas com a doenças.

Colesterol: Mostra os níveis de colesterol e triglicérides na corrente sanguínea. O colesterol é um tipo de gordura produzido pelo fígado e que é importante produzir hormônios e vitaminas. Se o nível de colesterol estiver muito alto, passa a ser prejudicial para a saúde, gerando doenças cardiovasculares e outras complicações. Os triglicerídeos são outro tipo de gordura do organismo que, se estiver em índices muito elevados, podem causar risco ao coração, levar à obesidade.

Creatinina e ureia: Exame para verificar o funcionamento dos rins. Se essas substâncias, presentes na corrente sanguínea, estiverem em níveis muito altos, os rins podem perder a capacidade de filtrar o sangue.

T4 livre e TSH: Avaliam a tireoide, órgão localizado no pescoço. Quando não está funcionando corretamente, a tireoide pode causar o hipotireoidismo ou o hipertireoidismo.

Ácido Úrico: Permite verificar a dosagem de ácido úrico na corrente sanguínea e fazer o diagnóstico de doenças como a gota ou cálculos renais.

TGO e THP: Indica se o paciente tem alguma doença no fígado, como a cirrose.

Urina Tipo 1: Um dos mais indicados para fazer o checkup da função renal. Permite encontrar doenças e infecções na urina.

Urocultura: Com esse exame, é possível detectar infecções urinárias e as bactérias causadoras. Permite ao médico não só diagnosticar o problema, como recomendar o tratamento mais eficaz para o paciente.

Exame de fezes

Se a sua saúde não vai bem, o médico pode pedir a amostra das fezes para avaliar o sistema digestivo e a presença de vírus e bactérias.

Por último, convém lembrar que a escolha inapropriada de testes ou de seus painéis também pode constituir um erro pré-analítico. Nesse sentido, a interação entre o médico-assistente e o patologista clínico sempre se mostra salutar.